Perguntas

Como a gestante pode cuidar da sua saúde bucal e de seu bebê?

Hoje em dia, assim como se faz o pré-natal com o ginecologista, recomenda-se o pré-natal com o dentista especializado em bebês e gestantes. Este cuidado deve ser iniciado após o terceiro mês de gestação e deve continuar até o nono. O dentista vai orientar como ajudar a desenvolver o paladar do bebê, como manter a gengiva e a saúde dos dentes da futura mamãe. Não há porque “perder um dente a cada gravidez”. Receberá as devidas orientações sobre posição de amamentação, importância da amamentação para o correto desenvolvimento bucal do bebê, bicos de chupetas e mamadeiras, como e quando utilizar, erupção dos dentinhos de leite, higienização destes. Tipos de escovas e dentifrícios específicos para bebês e para a primeira infância, mordedores, flúor, dieta, hábitos, etc. Todas estas informações vão ajudar a prevenir cárie e problemas de gengiva na mãe e no bebê e também prevenir problemas ortodônticos, respiratórios e de desenvolvimento motor.

Devo higienizar a gengiva, língua e dentinhos do bebê?

Se o bebê não tiver dentinhos, não há necessidade de higienização. Quando houver dentes deve-se iniciar a escovação com escovinhas específicas e com pasta dentifrícia. Nossa orientação é de utilizar pastas com flúor desde que com mínima quantidade de pasta na escova. O flúor é muito importante para evitar o desenvolvimento da cárie. Não aconselhamos o uso de cotonetes ou de gaze para a escovação. A criança se motiva para a escovação vendo um adulto escovando. Como adultos escovam com escova e não com cotonetes ou gaze, o uso de escovinhas para bebês desde cedo ajuda a desenvolver o hábito da escovação de forma correta e real.

Como deve ser feito o uso da chupeta?

Se a criança mama no peito não devemos forçar o uso da chupeta. Caso a criança, após a mamada, ainda tenha necessidade de sucção, podemos oferecer a chupeta. Em geral, a criança faz uso da chupeta até adormecer, depois a solta durante o sono.

Qual a melhor pasta dentifrícia?

Todas as pastas existentes no mercado são boas. Todas contêm flúor em quantidade suficiente para prevenir a cárie. No entanto, alguns cuidados são necessários. Somente utilize pastas antitártaro, bicarbonato, cálcio, clorexedine ou dessensibilizantes, se o seu dentista assim o orientar. Estas pastas medicamentosas só devem ser usadas com orientação profissional durante o período que seu dentista recomendar. Para crianças menores de 3 anos use quantidades mínimas de dentifrício na escova. Pode ser usada qualquer pasta, desde que, com mínimas quantidades de dentifrício. É melhor usar pastas com flúor em crianças menores de 3 anos para que elas tenham o benefício do flúor. É difícil escovar os dentes de bebês, (higiene mecânica), portanto o flúor age compensando esta dificuldade (controle químico). Atenção: é muito importante usar quantidades mínimas de dentifrício (“sujadinha” na escova).

Qual a melhor escova de dente?

A melhor escova deve ter as seguintes características: cabeçote pequeno (o menor possível). Quanto menor o cabeçote, mais facilmente alcançamos os dentes do fundo e melhor higienizamos dente a dente. Isto é válido tanto para crianças quanto para adultos. A escova deve apresentar cerdas macias. As cerdas macias ou extra-macias massageiam e não machucam as gengivas. Além disso, não desgastam os dentes próximo da raiz. Todas as cerdas devem ser do mesmo tamanho, assim, elas melhor se encaixam nos dentes e na gengiva fazendo uma higienização mais adequada. Atualmente é preconizado o ínicio da escovação logo após a erupção do primeiro dentinho na boca do bebê. Há várias escovas de bebês no Mercado e todas são adequadas para cada faixa etária. Não aconselhamos o uso de dedeiras, cotonetes ou gaze para a higienização, pois estes não desenvolvem o hábito correto de higienização bucal do bebê. A criança aprende observando, e ninguém escova seus dentes com dedeiras, gaze ou cotonetes. Um adulto deve supervisionar a escovação até que a criança esteja apta a fazê-lo sozinha. As escovas elétricas são excelentes auxiliares na escovação principalmente para crianças com problemas motores ou em idade de desenvolvimento motor, pois facilitam a escovação. O ideal e que sejam utilizadas a noite ou em horários de maior disponibilidade para a higienização dos dentes. Nos outros períodos as escovas convencionais podem ser utilizadas. Existem escovas específicas para várias finalidades. Por exemplo: para higiene de aparelhos ortodônticos fixos, para dentaduras, para pontes moveis ou fixas na boca, para quem tem problemas de gengiva, etc. Um profissional pode definir qual o momento e a melhor indicação delas.

O flúor pode fazer mal a saúde?

Se for utilizado em excesso, pode fazer mal a saúde. Por isso deve ser administrado de forma correta e com orientação profissional. No Brasil, onde a água de abastecimento público é encanada, a população recebe o benefício do flúor. A presença de flúor na água associada à escovação com pasta dentífrica fluoretada e um importante auxiliar na redução da cárie dentária, pois toda vez que bebemos água ou escovamos os dentes, damos um banho de flúor no esmalte dentário. O dentista deve sempre ser consultado quanto às aplicações de flúor no consultório. Estas devem ser feitas quando o paciente apresentar sinais de desenvolvimento de cárie. O flúor aplicado no consultório pode ser na forma de gel, mousse ou verniz. Os bochechos podem ser importantes na prevenção de cárie, no entanto, seu uso deve ser orientado pelo dentista, assim como a quantidade de pasta dentífrica na escova para crianças menores de 3 anos. A ingestão demasiada de soluções para bochecho ou de pastas de dentes podem causar fluorose (manchamento dos dentes durante sua fase de formação).

O que é preciso saber sobre hábitos bucais?

Os hábitos bucais, ou seja, a repetição sistemática de algum ato como, por exemplo, roer unhas, chupar dedos, chupetas, mamadeiras, apertamento dental, bruxismo, etc, podem causar problemas dentários ou alterações articulares. Na criança estes hábitos podem interferir no seu desenvolvimento bucal, No caso de uso prolongado de chupetas, mamadeiras, sucção de dedo, respiração bucal, a criança pode apresentar mau posicionamento dos dentes, mordida aberta ou cruzada, projeção dos dentes anteriores, etc. No adulto pode causar desgaste dos dentes, dores ou problemas articulares. É fundamental a orientação de um profissional para diagnosticar o problema e ajudar a resolvê-lo. No caso de hábitos infantis, o odontopediatra esta apto a orientar como adequar o hábito para que não se torne um vício. O hábito de sucção é natural até a idade de dois a três anos, depois deste período deve-se iniciar a remoção do hábito. Mesmo que já hajam alterações bucais devido a estes hábitos, estas podem se resolver naturalmente. Quando não, a solução destes distúrbios pode envolver vários profissionais como o ortodontista ou o fonoaudiólogo. Muitas vezes o auxilio de um psicólogo pode ser necessário, pois estes hábitos podem estar relacionados à ansiedade, stress ou outros problemas emocionais.

O clareamento dental pode fazer mal aos dentes?

O clareamento dental realizado com acompanhamento e orientação do dentista é totalmente seguro. Se o dente está íntegro sem muitas restaurações, pode ser efetivamente clareado. Os dentes podem ser clareados através do uso de gel de uso caseiro ou com pastas oxidantes que liberam oxigênio. Esta última e feita no consultório odontológico. Se o clareamento for feito em casa ou no consultório, sempre deve ser monitorado pelo dentista. Os produtos utilizados para o clareamento podem causar sensibilidades ou irritações na gengiva e para que nenhum problema ocorra é necessário o acompanhamento de um profissional que saberá definir o melhor produto a ser utilizado e que não provocará sensibilidade ou danos gengivais. Não é aconselhável fumar ou tomar café, chá, coca-cola em excesso. Pacientes que fumam demais devem saber que não há durabilidade no tratamento. O dente clareado não fica enfraquecido após o tratamento e este apresenta efeito cumulativo, ou seja, após 1 ou 2 anos pode haver necessidade de manutenções com tempo de tratamento menor. Às vezes é necessário refazer algumas restaurações após o clareamento, portanto é importante que o paciente saiba disso caso apresente muitas restaurações em dentes anteriores. Por precaução é recomendável evitar clareamento em gestantes e lactantes.

Qual é a função da pasta de dente?

O dentifrício é muito importante para a escovação e o flúor contido nele mais importante ainda para prevenir cáries. No Brasil, todas as pastas contem flúor em torno de 1100 a 1500 ppm (na forma de NaF ou MFP). Há diferença de abrasividade nas pastas. Existem as mais e menos abrasivas. Há, também, vários tipos de pastas: para sensibilidade gengival, anticárie, antitártaro, com bicarbonato, etc. As pastas para finalidades específicas devem ser prescritas pelo dentista e por tempo definido. Se não há nenhuma alteração bucal ou prescrição do dentista as pastas convencionais ou básicas são as melhores e mais indicadas.